Amizade

•03/03/2012 • Deixe um comentário


Não sei se você que está “lendo-me” nesse momento alguma vez precisou de provas de amizade.

Quando digo provas de amizade, digo aquelas provas silenciosas que ninguém sabe o quão valioso determinada ação é, tão valiosa que joga na latrina anos de convivência, de cumplicidade desperdiçada por negligência, descuido ou descaso.

Amigo é uma palavra extremamente poderosa, rompe os grilhões da solidão e constrói a rocha além-mar mais indestructa. Já vi inúmeras citações de falsa amizade verdadeira, que de fato é verdadeira a voz de que as exalta, mas tão frágeis aos ouvidos de quem as escuta.
“MEU AMIGO” possessividade leviana de quem tem expectativa de que sua carência, ou quem sabe até verossímil marcador de propriedade privada “MEU AMIGO”. Dificuldades a parte, o exaltador de “MEU AMIGO” por muitas vezes esquece que aquele a quem é tomado como sendo “SEU” também é detentor de títulos de igualdade ao “AMIGO DELE”.

Amizade é mais que exaltações e palavras expelidas entre a bílis e a ressaca moral da noite anterior. Amizade é mais que saldar bares e festas em troca de companhia que teria mesmo que não quisesse ter.

Não sei exatamente do que se trata a perspetiva de cada um, ou os valores salvos da experiencia individual… mas não conseguiria dividir tantas emoções distintas e não categoriza-las, nossa distinção dos animais é justamente essa, nossa capacidade autocritica necessita de mais que simples emoção, mais que sentir. Temos que compreender o que é esse sentimento,

Amizade é tomar partido, é cuidar dos seus, de sua família, proteger quem se ama. Já levei socos e pontapés violentíssimos destinados aos meus, já travei guerras romanas com as mais adoráveis pessoas por aqueles intitulados amigos.

Tento não magoá-los com minhas impulsivas oscilações de humor, tão constantes quanto meus suspiros de resistência as insuportáveis criticas que tem como alvo minha imperfeição humana, tantas vezes demonstrada nas mais variáveis mídias, de fotos a palestras de horas sobre o quanto ainda preciso melhorar como pessoa.

A amizade me molda em um ser melhor. Esses amigos não mostram o quanto estou abaixo, eles me mostram o caminho das escadas e se preciso estendem a corda degrau a degrau.

Os amigos compartilham de suas frustrações e desventuras para que o fardo seja alimento do mecanismo que utilizamos para empurrá-los a frente, esses amigos não se abatem, não desistem de você, desde que você não desista de ambos.

Tomar partido é uma parte fundamental da amizade.

Amizade é uma aliança de guerra, não importa quanto diplomático sejas, chega um momento que suas posições devem ser claras e esclarecidas perante esse valoroso companheiro de armas e seu apoio completo e induvidável é a assinatura dessa aliança.

Amizade demora para ser fomentada, legislada, atestada, testada, pactuada, assinada e comprovada …. por muitas vezes não passa ao mais singelo dos testes, por vezes basta uma piada mal colocada, por vezes basta a frase na hora errada …

Sinto orgulho de ter pouquíssimas pessoas para chamar de “MEU AMIGO” e esses pouquíssimos dedico esse texto por suas infinitas qualidades, por estarem comigo e por permitirem que eu esteja com vocês.

Dedico:

Mury , por sua sinceridade, por sempre apoiar antes de qualquer questionamento e por tolerar minha ausência de bons modos todos esses anos
Rapha, por dividir comigo o amor de nossa mãe de forma sempre honrada, por ser meu amigo quando eu era só irmão mais velho e por ainda ser meu melhor amigo apesar de nossas diferenças infantis e meu estupido senso humor

Rudá, por sempre estar ao meu lado, fiel e casto. Por me defender quando necessário e por me trazer para realidade, pelas longas conversas, pelos cigarros divididos (PARE DE FUMAR !!!) e por me fazer descobrir que sou melhor do que era
Cauê, a voz da minha consciência, o padrinho do meu filho, o homem mais confiável do mundo. Eu sou muito grato pelo seu suporte incondicional e reciproco todos esses anos, por me fazer sentir parte da sua familia e por fazer parte da minha

Tatiana, pela sua amizade, pelo seu carinho, pelo seu companheirismo, pelo nosso filho fruto do mais honesto amor que há na terra e por conviver com as minhas intermináveis criticas virginianas e minha organização mental tão rigida

Obrigado,

Se existe na terra a possibilidade de alguém ser feliz com um amigo, eu devo ser muito querido por Deus, pois ele deixou no meu caminho 4

A garota da escola

•07/01/2012 • Deixe um comentário

 

Eu me lembro da garota da escola … você não ???
A garota da escola tinha todos os tons de cabelo e o todos os brilhos dos olhos … ela nada tem de feia, uma vez que feiura não com combina com os sonhos mais doces e os sabores mais tentadores, logo a garota da escola não flerta de nada que se pareça com defeito.
O único ser a gozar de perfeição é a garota da escola.
Ela não argumenta, ela encanta
Ela não fala alto, é incisiva
Ela não gesticula, orquestra

A garota da escola não é a mais estudiosa e nem a mais preguiçosa, não possuí inimigos ou rivais, trata todos com igualdade e enciuma a todos de sua desatenção charmosa
A garota da escola lhe dá oportunidades que só você percebe e ainda assim deixa-se passar por outra pessoa somente para lhe agradar.

Compartilha de seu lanche, de sua lição de casa, de sua bicicleta, de seu tempo, de seus suspiros, de suas lamurias, de seus sonhos , de sua alma … Ah sim. .. os dons de deixar-nos  horas e tardias madrugadas pensativos com seus encantos.

Isso sem falar das lágrimas, as lágrimas solitárias e doloridas da falta que ela nos traz. A garota da escola consegue passar   as férias inteiras no seu pensamente e transformar 1 mês em 100 anos com a mesma facilidade.
Eu amei a garota da escola mais que qualquer outra garota e com o testemunho de vítima, réu, júri, juiz, delegado, carcereiro e executor, afirmo que a garota da escola ainda habita em mim. Como um demônio antigo e perpétuo, cada pensamento, cada fagulha de luz, cada gesto é lembrado como se agora acontecesse.

Dores de saudade, de angustia, de um relógio que jamais chega no amanhã, até que o frio do sono e as olheiras das poucas horas dormidas te lembrem que o amanhã acaba de chegar.
Hoje, homem crescido que sou, não me rebaixo a dor que a escola carrega e todo esse período de transformações e descobertas. Coisas essas que deixamos passar sem nunca mais lembrar … mas aquela linda garota, vive encrostada dentro dos nossos corações da mesma forma que a víamos perfeita e imaculada.

Daniel Vianna

Então tá, vamos falar de música.[ Country-Sertanejo ]

•01/09/2011 • Deixe um comentário

Antes que você venham me pertubar , falando de Tonico e Tinoco, Rio Negro e Solimões, Sergio Reis são a raíz da “música caipira” e chega com o Luan Santana ao século XXI, bem você não estão só enganados como também deveriam LER mais.

A Country Music, ou Sertanejo aqui no Brasil, começa muito antes de nascer o caipira brasileiro ditamente.

Suas raízes são encontradas na música folclórica tradicional (FOLK), na música celta(tipo irlandesa), no Jazz e  na Música gospel protestante americana da década de 1920. Eu sei que sempre tem uns teimosos que vão falar que já havia MPB SERTANEJA nessa época, pois eu digo que NÃO. Na década de 20 o Brasil estava em plena reviravolta cultural, com sua semana de arte moderna de 22 que durou praticamente todo o século, a depressão inglesa de 1928 e a queda da bolsa de Nova Iorque de 29. Isso quer dizer que o acesso ao FOLK ainda estava limitado aqui no Brasil e era considerado a verdadeira música popular americana.

Na decada de 30 teve seu apogeu, atingindo o Rádio e não apenas praças e teatros de rua, era assim chamado HILLBILLY , mas devido o termo ser considerado “ofensivo” o termo COUNTRY MUSIC tomou suas proporções devidas em 1970 , com o termo COUNTRY AND WESTERN para retirar a abordagem Inglesa como influência, apesar de lembrar que FOLK vem da música celta britanica. Com a imigração ITALIANA E FRANCESA no Brasil o FOLK fora introduzido na nossa cultura pelo interior do país nas fazendas de gado e café.

Por se tratar de um gênero representado pelos homens do campo é muito associado a vestes e instrumentos rústicos como o Banjo, Bandolim, Rabeca, Violão, Washboard, etc. Torna-se popular, pois a tradição musical no campo brasileiro era feita por instrumentos de percurssão africanos; instrumentos de cordas, metais e sopros só eram conhecido da gran classe nacional e dos ricos das capitais. Quando os imigrantes trazem consigo suas gaitas e violinos torna-se musica do interior, de sertão, daí o termo SERTANEJO.

As primeiras gravações de “country music” datam de meados de 1920,21 … conhecido da época eram Eck Robertson , grande violinista sulista americano, praticamente quem iniciou o Country

 

Considerado o Pai do Country moderno Jimmy Rogers é o criador dos estilo “lamentoso” que influenciou bandas como ZZ TOP e John Denver

 

O country também abriu asas a muitos estilos musicais espalhados pelo mundo, como o Rock n’ Roll americano, popularizado através de Elvis Presley, porém o único artista que conseguiu ser considerado influenciador em dois estilos populares foi o falecido Johnny Cash


A influência da música de Johnny Cash e seu rock n’ COUNTRY roll, era tamanha que dela sairam inumeros estilos de música diferentes.

Entre elas o Psychobilly, uma mistura do punkrock americano da decada  de 70 com o rock da decada de 50. O próprio termo foi usado em uma de suas canções “One Piece at Time”.  Uma das mais populares bandas de Psychobilly é o THE METEORS

 

Outro estilo músical saido do country é o celtic punk, que mistura música irlandesa folclórica, country e rock n roll, tendo como banda mais popular o Dropkick Murphys

 

O sertanejo brasileiro teve origem a partir da migração italiana e francesa para os campos de café e gado nos sertões brasileiros. Após a década de 20 começou a popularizar o estilo nacional com suas modas, toadas, cateretês, chulas, emboladas e batuques, cujo som da viola é predominante.

Um exemplo de moda é a música de Mandi e Sorocabinha de 1934, sendo estes descendentes de italianos, mostra-se a tristeza dos campos de piracicaba e região

Na década de 1970 e 80 a música tradicional brasileira passou por uma transformação ao inserir novos instrumentos, como o saxofone e a guitarra eletrica , chamado hoje de “sertanejo-romântico” como o que se ouve com Chitãozinho e Xororó

Na década de 90 passou por algum ostrascismo,mas ainda assim teve algumas representações como Zezé de Camargo e Luciano, Rick e Renner, Daniel, entre outros …

Com a popularidade da música sertaneja, a evolução econômica da região agronoma brasileira e ascenção a educação do dito “caipira” surgiu o estilo SERTANEJO UNIVERSITÁRIO, um estilo de música pré-fabricado com letras menos lamuriosas e com muito apelo de marketing , tendo “artistas” como FERNANDO E SOROCABA como repercursores

 

A música country americana também passou por inumeras revoluções nesse periodo.

Entre essas revoluções você a cantora canadense Shanaia Twain como uma das maiores vozes femininas do country, mas o que pouca gente sabe é que o COUNTRY music teve muitas vozes como a mulher que deu originou o termo “DIVA” para cantoras solo, a senhorita Dolly Parton

 

Há um sem número de artistas que sairam do country que não foram mencionados aqui, mas alguns nomes eu não posso deixar passar como o multi facetado BOB DYLAN e suas letras perfeitas

 

A técnica aprimoradissíma do guitarrista Zakk Wylder

 

Credensce Clearwater Revival, banda conhecida por nunca abandonar o estilo hippie de suas musicas

 

Entre outros grandes nomes como Rolling Stones, Aerosmit, Jerry Lee e outros …

Agora dá pra pensar umas duas ou três vezes antes de falar que “SERTANEJO É MOH BOSTA”

 

 

 

 

 

Não é fácil …

•24/08/2011 • Deixe um comentário

De acordo com o Priberam :

fácil

adj. 2 g.
1. Que não custa a fazer.
2. Que se consegue sem grande trabalho.
3. Claro.
4. Simples, natural.
5. Provável.
6. Brando, dócil.
7. Acessível.
8. Precipitado, que reflecte pouco.
9. Complacente.
10. Muito susceptível.
adv.
11. Facilmente.
***
Ter 28 anos completados hoje me faz pensar o quanto as lições que tenho aprendido não têm sido “fácil”:
1- “Que não custa a fazer”.:
Tudo tem um preço.  Cada decisão, cada escolha, cada conta de bar, cada aluguel, cada prestação, cada parcela de felicidade tem um preço a ser pago. A vida cobra de você o tempo todo e você paga, mesmo que escolha não pagar, você paga, está pagando ou pagará.
2-”Que se consegue sem grande trabalho”.:
Desde o momento em que temos apenas 23 cromossomos temos MUITO TRABALHO, trabalho para fecundar o óvulo, trabalho para crescermos lá, para nascermos, para crescermos aqui fora, para sobrevivermos, para adquirir uma posição de conforto e até para AMAR. Tanto que ouvimos muitos profissionais dizerem em TRABALHAR AS RELAÇÕES, ou melhor TODAS AS RELAÇÕES dão trabalho, amigos, familiares, namorados e conjuges … todos dão muito trabalho, principalmente os FILHOS.
3-”Claro”.:
A única coisa que você terá de CLARO e CERTO na vida é que os dias amanheceram e que as noites roubaram todos os raios de sol para que as estrelas pareçam mais belas. De resto nem a certeza da morte temos mais, nos entubam e enfiam uns aparelhinhos que ficam apitando PI …. PI …. PI….PI…. e sobre sempre para um primo que não gosta muito de você assinar o papel de resposabilidade de hemodialise.
4-”Simples, natural.:
Semples e natural não combinam, experimente dizer para a pessoa que atende por “companheiro(a)” que algo não está de seu agrado de forma SIMPLES e NATURAL.
Francamente se algo SIMPLES não lhe agrada, já passou a ser COMPLEXO  e se você encarar INTERVENÇÃO como algo natural, então árvores artificiais fazem fotosíntese. Toda forma de intervenção é belicosa, não existe essa história de “tivemos uma conversa franca e saudável” , se alguma vez você ouviu isso de alguém, pode acreditar em mim, essa pessoa quis dizer: “eu disse o que eu queria dizer e a outra pessoa disse que entendeu” , os fatos reais do quanto efetivo isso ocorre não vem ao caso suprascitado
5-”Provável”.:
Não existe provas irrefutáveis que o argumento de uma mulher em lágrimas  não destrua.  Sua razão tem a resistência de uma taça de cristal.
6-”Brando, dócil”.:
Eu lanço o desafio para qualquer pessoa que encontrar alguém com essas duas qualidades juntas ou adjuntas que admita SER assim. Dócil: Submisso, obediente, fácil de guiar, de conduzir. Brando: Que oferece pouca resistência à pressão; mole, tenro.
Eu tenho uma visão filosófica a respeito da humanidade muito hobbista, acho realmente que o homem é o lobo do próprio homem, justamente por disfarçarmos muito mal as duas qualidade acima citadas.
7-”Acessível”.:
Acessível é na verdade “enquanto me interessa”. Na vida, você pessoa que está perdendo o tempo lendo o que escrevo nessas linhas rabungentas da profundidade do meu rancor e desprezo para a raça humana,  nada é ACESSÍVEL Bancos não lhe dão um Banking online para você poder manter relações com a sua conta; eles querem o seu dinheiro. Homens em bares não estão escutando sua história de almolo com as amigas Rita,Luiza e Carol porque você é culta e interessante; eles querem transar com você. Seu marido não está respondendo “aham” pra você assistindo tv porque ele está interessado no que você está dizendo ou para não te ignorar completamente enquanto ele assiste tv; é porque ele está vendo tv. Sua mulher fica horas falando no telefone , não para mostrar para você um ponto de vista; mas sim para mostrar a razâo dela …
Há um sem-fim de situações em que nossa ACESSIBILIDADE é comprometida com a nossa DISPOSIÇÃO
8-”Precipitado, que reflete pouco”.:
Eis nosso maior defeito. Somos TODOS, e quando digo TODOS, eu incluo sua mãe, seu pai, você, seus amigos … TODOS MESMO. Se pararmos para repensar a ação segundos antes de executá-la não fazemos. Ações exigem pouco raciocinio, nossa mente não consegue sincronizar o raciocínio reflexivo com atos mecânicos, ou seja, se nossos pais tivesse REALMENTE parado para pensar, nós não estariamos aqui, eles não teriam casado um com o outro e você IDEM.
9-”Complacente” .:
Complacente é um tipo de pessoa rara, existem teorias que essas pessoas vêm a terra a cada milhagem de anos. Dizem, ou melhor, ouvi dizer que o último ser humano COMPLACENTE era um tal de Jesus de Nazaré, e há quem diga que Nelson Mandela depois dele. Mas ainda assim, não encontramos pessoas complacentes no dia-a-dia, padres, pastores, guias espirituais, mediuns, rabinos, pais-de-santo … procuram os COMPLACENTES em seus templos, uma qualidade quase impossível de ser encontradas nas rancorosas mulheres modernas (perdõem meninas, mas vocês tem que admitir, aceitar é um passo importante).
O próximo COMPLACENTE deveria ser considerado SENHOR DE TODA A TERRA e governá-la até que seu tempo acabe. Infelizmente nossos moldes são rasos em qualidades
10. “Muito suscetível”.
Minudência de casais, (entenda casal UM PAR não estou aqui para definir generos) sempre aceitando transformações por muitas vezes constrangedoras e por mais vezes irracionais. Sejamos suscetíveis a coisas do amor , pois bom seria se assim fosse. Nossa suscetividade em abordar o negativo deveria ser combatida pela COMPLACÊNCIA, mas como disse antes “nossos moldes são rasos em qualidades”.
11-”FACILMENTE” .:
Facilmente posso escrever este “artigo”, facilmente posso falar de coisas que não entendo, facilmente posso tentar parecer certo na proximidade de tantos errados, ou melhor, de tantos certos que não conseguem expressar da mesma forma, mas ainda assim “certos”.
Facilmente podemos ver aquilo que é belo para nós
Facilmente podemos dizer aquilo que é importante para nós
Facilmente podemos querer aqulio que é de nossa vontade
Mas dificil é fazer com que o “outro” nos perceba da forma que somos ou que achamos que somos, e o pior,  é que quase sempre de tão certos que estamos tão erramos ficamos quanto aquilo que nos é caro e importante, nós mesmos.
Feliz Aniversário pra mim e desejo a mim mesmo um pouco mais de “COMPLACÊNCIA”

A maternização da paternidade

•16/08/2011 • 1 Comentário

Para quem estava lendo a VEJA e a VEJA-SP desse fim de semana reparou em duas matérias sobre o dia dos pais, uma falando de pais “especiais” e outra de pais “heróis”, mas ambas falaram uma coisa em comum que fez eu me perceber espelhado como quem barbeia-se. Tratavam da paternidade moderna, participativa e próxima.
No post anterior, eu descrevi a paternidade-maternal, vivida forçadamente pela minha mãe e neste eu decrevo minha maternidade-paternal.

Sou um pai moderno, não que isso seja uma grande coisa ou que seja motivo de orgulho para mim. Na verdade, ser moderno nesse caso quer dizer “SEM MUITAS REFERÊNCIAS”.

Para deixá-los mais centuados: tenho dois filhos Cláudio (as vésperas de completar 11 anos) e Antônio (1 ano e 1 mês).
Cláudio é fruto de um namoro de quando eu tinha 16 anos de idade e Antônio do meu atual relacionamento.

Cláudio vive com a mãe e Antônio vive comigo.

São pessoas completamente diferentes se olhados de perto e comparado na mesma idade. Cláudio é dócil e desligado enquanto Antônio é atento e genioso.
Vivo uma vida de amizade com ambos. O papel do pai carrasco, crítico e contestador nâo combina muito com a minha personalidade e com minha condição.
Imagine a cena, vejo meu filho mais velho semana sim e semana não, muitas vezes semana não por semanas consecutivas, já que moramos em cidades diferentes, nos poucos momentos que estamos juntos vou querer cobrar o que dele ? A mehor opção para mim é conversar com ele e tentar compreender seus anseios e frustrações, buscando ajudá-lo a se tornar uma pessoa melhor do que eu (o que provavelmente não será muito difícil).

Ser pai jovem ajuda a compreender alguns dos principais problemas dessa fase, problemas esses serão guardados como segredo de estado, parte da cumplicidade que estabelecemos.
Ajudar a criar o Cláudio a distância (sem somar a qualidade disso) JÁ me ajuda a entender o Antônio de uma ótica peculiar que poucos pais terão para com seus filhos.

Consigo me colocar de fora, de forma a ver com os olhos do “outro”, nosso pais, ou pelo menos a maioria deles, jamais teriam essa visão, são mais “aleijados emocionalmente” do que nós. Mas há razões para isso também.

Nossos pais, ou melhor, a geração de nossos pais teve que sair de casa muito mais cedo, começaram a trabalhar muito mais cedo, tiveram que destruir obstaculos muito antes de começarmos a romper os nossos, proporcionalmente. Viveram uma época de política fechada, economia fechada, vida sexual fechada, uma felicidade de fachada e em um sistema inter-relacional VERTICAL, ou seja, HIERÁRQUICO, assim como a sociedade em que eles viveram, o desenho dos papéis era definido o padrão sexista do “papel de homem” ou “pai provedor”.
O mundo mudou muito nos últimos 30 anos. A ditadura terminou, a economia ficou aberta e somos a 7ª maior do mundo, temos liberdade sexual e pluridiversidade de generos, status de felicidade modificou-se do parecer algo para SER algo e o sistema inter-relacional virou HORIZONTAL, ou seja ISONOMIA DOMÉSTICA, o desenho de papéis é definido pelo CONTRATO DO COMUM ACORDO.

As mulheres trabalham também, os homens também cozinham e lavam roupa, as mulheres dirigem o carro na viagem de família, os homens lotam as seções de fraldas dos supermercados e salões de beleza

Hoje, diferente de ontem, o “papel de homem” é aceitar o outro e a família da forma como ela se desenha e se desdobra, com todas suas nuances  e dificuldades REAIS que toda estrutura familiar tem e terá, pois esse “papel” exige ser interpretado e re-interpretado da forma que vier, seja você o pai-pai, o pai-mãe, a mãe-mãe, a mãe-pai, ou se você e seja lá com quem você divida esses papéis, possam interpretá-lo da melhor forma possível, pois a verdade é que tudo se resume ao AMOR.

Grandes Lições

•27/10/2010 • Deixe um comentário

 

Eu sei que deixei o blog largado durante algum tempo, mas depois de alguns e-mails motivadores e pessoas pedindo para eu escrever mais; voltarei a postar ao menos uma vez por semana.

***

Paternidade

Eu não sei se já falei sobre isso antes, mas eu não tive pai. Meu pai faleceu quando eu tinha 6 anos de idade e cresci imerso em ausências, o que não exatamente quer dizer que sou desses malucos complexados, cheios de tiques nervosos e que choram ao falar do pai [sniff...]

Mas depois de muita auto-analise e reflexões, vi que a maior ausência da minha vida veio depois que conversei com a minha mãe no dia antes do meu segundo filho nascer. Dizem que há desses momentos mágicos, em que algo nos é revelado e descobrimos alguns porquês antes distintos de nossa compreensão.

Quando meu pai foi assassinado, o homem que o matou não levou somente meu pai, ele levou minha também.

Aprender a ser homem com uma mulher é muito difícil, ainda mais sendo minha mãe.

Ela teve que aprender a ser mais dura e a por mais limites, só de pensar tenho pena dela, abdicou toda a vida pessoal para cuidar de mim e meu irmão caçula.

Minha mãe foi rígida de verdade.  

Não podíamos ser razoáveis em nada, minha primeira surra na vida foi por causa de um 7,5 em geografia e nunca mais esqueci as causas da primeira e segunda guerra mundiais. A coordenadora pedagógica mandou chamá-la para sugerir-me uma psicóloga. Lembro como se estivesse acontecendo nesse instante, ao chegarmos em casa ela olhou no fundo dos meus olhos e disse em tom baixo e sepulcral:: “Você precisa de um psicólogo para aprender geografia? Você está tendo dificuldades de se concentrar porque está pensando  no que não deve ou pensa no que não deve porque não quer se concentrar? Vou ter dar uma psicóloga que vai fazer você se concentrar ….”

Mamãe foi exigente de verdade.

Eu tinha que estudar tabuada em um caderno brochura de 200 páginas, eu tive que completar o caderno em uma noite e depois ela me tomava a tabuada aleatoriamente durante o dia, se eu errasse ela pegava um taco solto do assoalho e me dava um “bolo”.

Minha mãe nunca gostou de abraços, dizia que abraçávamos ela quando queríamos alguma coisa.

Entre muitas coisas que a minha mãe me ensinou, os valores que me deu e a força que me doutrinou a ter, ela não conseguiu ser um pai pra mim, pois a realidade é que homens e mulheres têm diferenças além das físicas e não foi uma mãe carinhosa. Não por falta de zelo, mas sim para não demonstrar fraqueza.

Aprendi muito sobre ser uma pessoa do bem com a minha mãe e com todo o esforço que teve em ser mãe e pai, deixou-me trilhado o mesmo caminho.

Como costumo falar, se eu puder passar aos meus filhos 10% daquilo que me foi ensinado pela minha mãe tenho minha missão como cumprida.

NUDEZ MORAL

•04/12/2009 • Deixe um comentário

Vergonha é um sentimento complexo e virutoso.

Pergunte-se: “O que me deixa mais envergonhado neste mundo?”

A resposta pode ser das mais variadas possíveis, porém o que vou falar é sobre a pior de todas as vergonhas, ou melhor ainda, o elo de ligação entre todas essas vergonhas: A NUDEZ MORAL.

Muitos devem estar perguntando-se: “O que é isso Celha?”

Pense que você tem um discurso a ser feito para algumas pessoas, o lugar tem um palanque ou palco, você está em destaque com um microfone na mão. Todos estão muito bem trajados e no instante que você começa a falar tudo fica escuro e um feixe de luz paira sobre você e sua roupa sumiu, VOCÊ ESTÁ COMPLETAMENTE NU.

Pois é… o que fazer agora ? Se você for mulher, pior ainda, se você cobre em cima destampa debaixo …

Pare pra pensar. Não é mesma sensação de ser pego em uma mentira? Na cama com o (a) amante? Aquela saia justa, não se sabe como reagir…

Essa é a verdadeira sensação da vergonha. Querer ser como as emas e enfiar a cabeça debaixo da terra; Ser um Rudini e desabarecer; milhares de exemplos.

Sentir-se nu é o mesmo que sentir-se desprotegido.

Perceba o título: NUDEZ MORAL.

Algum de você já deve ter percebido-se nu sem querer estar. Não porque fez algo errado ou estava escondendo alguma coisa, simplesmente algo que você gostaria de manter no seu íntimo é exposto e faz você sentir-se desprotegido.

NUDEZ MORAL? Sim. Com certeza. Obviamente poderia responder algo, talvez mal educado, ou quem sabe algo evasivo… Bem, pense na seguinte situação: Você caminha pela rua e alguém abaixa suas calças, sua primeira reação é levantar as calças. Qualquer resposta que você der tem o mesmo significado.

Pior que isso, imagine alguém que você realmente se importe, alguém com significado pra você que está fora do seu âmbito familiar. Essa pessoa expõe algo pra você que lhe transporta a sensação de que você deveria responder algo que satisfaça aquela necessidade e que ao mesmo tempo possa, como no exemplo anterior, levantar as calças.

Francamente, respeitar certos limites é algo que faz bem a todos. Pois muitas vezes somos nós que expomos as pessoas.

NUDEZ MORAL é a inteligação de todas as nossas fragilidades, inseguranças, desequilibrios, colocados em livro aberto. Não sei de tudo, mas faço idéia de tudo. E uma dessas idéias que tenho parei para pensar sobre o quanto estamos dispostos a demonstrar nossos sonhos, nossos medos, nossas verrugas, nossas manias, nossas angústias … ninguém quer debater o próprio futuro com os pais, primos, parentes e co-parentes, absolutamente ninguém. Ou se debater, quer que o que é expsto, seja respeitado. Muitos casamentos terminam por isso e muitos mantêm-se por isso. Nossa relação com os limites é restrita àquilo que entendemos como ZONA DE SEGURANÇA e somente com muito respeito a essas zona podemos manter equilibrio em nossas relações humanas.

Enfim, respeite para ser respeitado, bla-bla-bla …

Mas acima de tudo, PENSE:

” A EXPOSIÇÃO QUE VOCÊ PRATICA É A MESMA QUE GOSTARIA QUE PRATICASSEM COM VOCÊ ? “

Com certeza chegará a uma conclusão.

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.