Na Fossa (2)

Olha, não lembrava como é sentir isso … mas chega a ser engraçado.

Essa madrugada, perdi o sono e fiquei na internet até as 6 da manhã, quando minha mãe acordou e deu aquele “chega-pra-lá” bem educado como sempre.

Estou postando mais para me manter acordado do que por vontade de postar.

Ainda estou na FASE 1/5, se não tivesse que trabalhar estaria em casa assistindo o canal da Sony, comendo bolacha maizena, trajando uma cueca velha e furada.

Mas como pobre não tem direito à fossa, vim trabalhar.

A parte ruim de romper um relacionamento é o ritual que envolve o pós-rompimento. É muito doloroso e ao mesmo tempo idiota.

Você não quer que a pessoa te ligue, mas não para  de olhar no celular.

Entra no Orkut milhões de vezes para ver o que você já viu milhões de vezes. Ai você algumas coisas que não gostaria. Ex.: AS FOTOS  

Você repara que ela apagou os albuns, os depoimentos, mudou o status de relacionamento, tudo o que fazia lembrar de você. Então, você que é uma pessoa que não estava preparada para fazer isso resolve se igualar.

Apagar fotos de momentos bons é uma das coisas mais difíceis que se pode fazer, mas é parte do processo de desapego. Você compreende, mesmo tendo terminado, que faz parte do processo. Mas, ainda assim não gosta.

Dentro da minha súbita insônia, que jazia tempo não aparecia, tive uma epifânia, quase um clichê dos recém rompidos. “Vou dar uma volta na praia”.

EURÉCA!!! Parecia que havia descoberto a energia elétrica. Coloquei as calças, calcei os chinelos, vesti o molenton mais velho que tinha, peguei a carteira e o celular e fui para a praia às 3:30 da madrugada.

Um frio maldito, absolutamente nenhuma alma viva à perambular. Até o momento que passou RODNEY.

(quem é RODNEY???, você deve estar se perguntando)

Rodney foi o cara que tentou me assaltar. Vamos por uma ênfase no TENTOU.

Ele me abordou enquanto eu caminhava na areia:

“Vai irmão, passa o celular a carteira e o que mais você tiver de valor ai!!!”

Eu estava andando, continuei andando e o ignorei completamente.

“MANO, você não me escutou ???”

Eu estava andando, continuei andando e o ignorei completamente.

“MERMÃO, eu to armado”

Eu estava andando, continuei andando e o ignorei completamente.

O cara parou do meu lado, mostrou o revolver e disse: “QUER LEVAR UNS TECOS???”

Eu estava andando, continuei andando e o ignorei completamente.

“Você deve ser muito louco…”

Eu parei, olhei na cara dele e disse: “Já teve problemas, dos quais não se vê solução?”

“Se tudo o que resolvesse na minha vida fosse os 5 reias que eu tenho na carteira e o celular quebrado, faria igual à você”

O cara não acreditou no que eu estava falando para ele.

“Mano, senta ai vamo trocar uma idéia”

Rodney é ex-estivador, tem 28 anos e tem 5 filhos, perdeu a musculatura do ombro esquerdo de tanto trabalhar, está aposentado pelo Orgão Gestor de Mão de Obra (OGMO), a mulher largou ele depois que ficou desempregado, a mãe, última pessoa que poderia ajudá-lo faleceu tem dois meses.
Está sendo ameaçado de ser preso por não pagar a pensão dos filhos para a ex-mulher que casou com um dono de restaurante, está morando na rua tem 1 mês, não usa drogas, não bebe, não fuma, mas conseguiu um revolver 38 com um traficante da rua em que morava, para tentar recuperar a dignindade. Parece estranho não é? “ROUBAR PARA RE-ADQUIRIR A DIGNIDADE”. Mas ele disse pra mim:

“Você foi a minha primeira tentativa de assalto desde que peguei a arma à três dias atrás, nem pra ser ladrão eu sirvo…”

Obviamente falei com ele, falei do quanto acho que uma arma NÃO PODERIA AJUDAR, e o que ele poderia fazer para conseguir dinheiro.

Dei os 5 reais que estavam na minha carteira para ele e o número do meu celular, para ele me ligar se fraquejasse mais uma vez. Mostrei pra ele o albergue municipal de São Vicente, assim ele não precisaria durmir na rua como um mendigo qualquer.

E por algumas horas eu consegui esquecer dos meus problemas.

Assim que voltei para casa, pensando com os meus botões, lembrei o porque escolhi ficar sozinho e o porque estou sentindo falta dela. Mesmo tendo se passado tão poucos dias, mas falando com o Rodney eu vi que se eu estivesse com ela, não teria uma Hitória tão boa pra contar hoje. Com certeza eu teria ido pra casa depois do trabalho, estaria com sono e dormiria até a hora de trabalhar. Nada ruim do ponto de vista rotineiro,

Mas se eu escolhi ter paz e poder ajudar quem precisa de mim, já comecei com o pé direito.

Vai doer mais um pouco, mas como escrevi no meu orkut:

“PREFIRO SOFRER PARA SER FELIZ DO QUE SER FELIZ SOFRENDO”

~ por danielcelha em 03/07/2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: